Bicicletas

Bicicletas

A bicicleta (do francês bicyclette] que deriva de bicycle, união de bi, dois, com a palavra grega kyklos, roda) é um veículo de duas rodas presas a um quadro, movido pelo esforço do próprio usuário (ciclista) através de pedais, sendo assim um velocípede de duas rodas. Atualmente, é considerada o meio de transporte mais utilizado no mundo. Como durante a sua locomoção não são emitidos gases poluentes nem com efeito de estufa, a bicicleta é considerada assim um veículo zero em emissões.

A palavra deriva do grego; bi (dois) e kyklos (rodas); do inglês bicycle com o diminutivo francês bicyclette, foi adaptado do castelhano como bicicleta.

Veículos para o transporte humano que tem duas rodas. Data do início do século 19. Os primeiros meios de transporte fazendo uso de duas rodas dispostas consecutivamente, e, portanto, o arquétipo da bicicleta, foi o draisine alemã que remonta a 1817. O termo bicicleta foi inventado na França na década de 1860.

Evolução da Bicicleta

 

Bicycle evolution

Anatomia da bicicleta

Abaixo as principais peças e sistemas que constituem a bicicleta ou velocípede. Como existe uma diversificado de expressões locais e regionais, bem como, entre o Brasil e Portugal, alguns itens apresentam estas variações.

Quadro (chassi) – Tubos de aço chamados “alma da bicicleta”. Destinado a receber a montagem das principais peças do velocípede. A região dianteira do quadro recebe o garfo e a roda dianteira e a extremidade posterior é formada por duplos “braços” de metal para acomodar o rodado traseiro e seus mecanismos. Na região superior é instalado o selim e na inferior está localizado o movimento central com as pedivelas.
Roda – Formada por grandes anéis (aros) metálicos ligados por raios ao cubo com blocante ou porca.
Garfo – Peça que aloja a roda dianteira, semelhante a uma forquilha, pois é formada por duas hastes paralelas. Nela se conecta o sistema de direção (guidão e mesa) à roda dianteira, passando pelo quadro da bicicleta.
Guidão (Guidom, direção) – Peça tubular fixado no garfo e destinado a orientar a movimentação da bicicleta.
Selim (sela, banco, coxim) – É o assento para a acomodação do ciclista.
Corrente (correia) – Com um conjunto de elos metálicos e flexíveis é formado a corrente da bicicleta (corrente de roletes). A corrente faz a conexão entre a coroa fixada na pedivela e a catraca ou o cassete na roda traseira.
Freio (trava) – Equipamento de segurança da bicicleta. É acionado por cabos de aço através do manete de freio. Quando acionado o manete, sua força/pressão é transmitida através do cabo de aço para acionar as sapatas de freio fixadas próximo ao aro das rodas que executam a frenagem através da fricção de uma borracha com o aro. Em bicicletas mais antigas, o freio esta presente na pedivela e no mecanismo do movimento central conhecido por freio contra pedal ou torpedo. Freio a disco: peça similar ao freio a disco dos automóveis, com um disco instalado no cubo da roda e outro conjunto preso ao quadro ou ao garfo.
Pneu – Peça constituída de protetores de lona e borracha que se encaixa no aro da roda. Recebe uma câmara tubular, também de borracha, que se enche com ar comprimido numa determinada calibragem para que suporte o peso associado da bicicleta e do ciclista juntos. Os pneus servem para amortecer as trepidações devidas às asperezas do chão.
Passador de marchas (alavanca de câmbio, trocador de marcha) – É o comando do mecanismo de mudança das engrenagens das coroas e do cassete ou da catraca.
Câmbio dianteiro – Sistema responsável pelas mudanças de marchas na bicicleta, com a passagem da corrente entre as coroas.
Câmbio traseiro – Sistema responsável pelas mudanças de marchas na bicicleta, com a passagem da corrente entre os anéis dentados do cassete ou da catraca.
Cassete – Conjunto de anéis dentados, fixados na roda-livre do cubo da roda traseira. Pelo cassete passa a corrente que esta interligada com a coroa (ou coroas) fixadas na pedivela.
Roda livre – Peça que faz parte do cubo da roda traseira. Por ela passa a corrente que vem desde a coroa fixada na pedivela.
Conduíte flexível o cabo de aço – Tubo destinado ao cabo de aço dos freios e dos câmbios.
Manete do freio (maçaneta) – Alavanca de freio destinado ao acionamento do mesmo.
Garfo com amortecedor – Suspensão dianteira.
Manopla (punho, luva) – Peça de borracha colocada nas extremidades do guidão para propiciar um maior conforto ao ciclista.
Mesa (cachimbo, suporte de guidão, avanço, canote) – Peça que conecta o guidão ao tubo central do garfo.
Movimento central – Peça instalada no quadro da bicicleta para a fixação das pedivelas.
Pedal – Peça integrante da pedivela destinada a acomodar os pés do ciclista.
Pedivela com coroas (“z”, monobloco) – Peça que conecta o pedal ao eixo do movimento central. Coroa são ou anéis dentados fixados na pedivela. As pedivelas estão deslocadas entre si de 180°.
Cubo da roda – O cubo é a peça do meio da roda, onde são presos os raios. Consiste num cartucho com rolamentos ou esferas e um eixo passando pelo meio. Este eixo é fixado no garfo e no quadro através de porcas ou blocante.
Raio – São tirantes de aço rígido de pequeno diâmetro que terminam, por um lado nos cubos das rodas e por outro lado nos grandes aros (anéis) que acomodam os pneus.
Canote de selim (cano de selim) – Peça que se fixa no selim para o encaixe no quadro da bicicleta e que possibilita a regulagem de altura do selim.
Amortecedor – O amortecedor é uma peça constituída de uma mola para absorver os efeitos da rodagem em superfícies irregulares.
Para-lama – Acessório que recobre a parte superior da rodas destinado a impedir o lançamento de cascalho ou lama em direção ao ciclista.
Fonte WikiPedia Br e WikiPedia US